TÉCNICAS PARA CURATIVOS E BANDAGENS

 

1.      Explique o procedimento para o paciente. Avalie o nível de conforto do paciente; se houver prescrição de analgésico, pergunte se acha necessária sua aplicação antes do procedimento. Se for aplicar a medicação, espere cerca de 20 minutos para que possa fazer o efeito desejado. Posicione o leito de maneira que a altura permita o trabalho adequado, promova a privacidade do paciente, e coloque um protetor no colchão sobre o local da ferida para evitar que suje a roupa de cama. Observe o local do curativo e determine aproximadamente o número de pacotes de gaze que ira necessitar no procedimento, bem como a necessidade de outros materiais.

2.      Reúna os seguintes materiais:

·        Campo estéril

·        Soluções de limpeza/debridamento e de irrigação prescritas (geralmente soluções salinas e derivadas do iodo – soro fisiológico e PVPI – bem como outros produtos antimicrobianos que podem ser utilizados no procedimento, dependendo do tipo de ferida).

·        Cubas estéreis

·        Cotonetes estéreis

·        Um par de luvas de procedimento

·        Luvas estéreis (na ausência de pinças estéreis).

·        Pacotes de gaze estéreis.

·        Saco plástico para lixo.

·        Materiais para oclusão do ferimento como, por exemplo, faixa crepe, esparadrapo, se as faixas de Montgomery não estiverem sendo usadas.

É importante que o pacote de gazes seja sem enchimento e feito de uma malha fina. Os pacotes de gaze com enchimento (chumaços) possuem fibras de algodão entremeadas no seu interior que podem permanecer no leito da ferida, e a malha fina é necessária para proporcionar um melhor debridamento sem que haja a remoção do tecido de granulação formado.

3.      Coloque o saco de lixo em um local conveniente, distante do local da troca do curativo. Ajuste ou remova as roupas do paciente e mantenha o local aquecido e com privacidade. Lave as mãos e prepare o campo estéril. Cuidadosamente, derrame as soluções estéreis no interior das cubas estéreis. Para esse procedimento, a enfermeira deverá utilizar uma cuba para as soluções de limpeza e/ou debridamento e outra cuba para soluções de limpeza e umidificação da ferida.

4.      Coloque as luvas de procedimento e desamarre as faixas de Montgomery, quando utilizadas, ou remova os adesivos de cobertura da ferida e jogue no lixo.

5.      Pegue a gaze que recobre a ferida, segurando-a firmemente pela parte externa. Puxe-a delicadamente para remove-la da ferida

6.      Observe o curativo retirado para avaliar a quantidade e o tipo de exsudato eliminado; verifique se possui algum odor, o que pode ser indicativo de infecção. Envolva o curativo em suas luvas ao mesmo tempo em que você as remove das mãos, e deposite todo o material no saco de lixo.

7.      Coloque o par de luvas estéreis e molhe a gaze estéril na solução de limpeza utilizada. Nesse momento, determine uma das mãos como contaminada para a limpeza e o enxágüe da lesão, e a outra para o contato com o material estéril no campo. Antes de limpar o local, observe a ferida e avalie a presença de edema, o tamanho, a cor, o odor e o exsudato. Verifique a quantidade de tecido de granulação. Irrigue a ferida do topo à base com a solução de limpeza e despreze a gaze contaminada no lixo.

8.      Molhe outra gaze na solução de limpeza e limpe a área ao redor da ferida, começando pelas margens, distanciando o movimento no sentido da região interna da ferida para as bordas mais externas (direção centrífuga).

9.      Mergulhe um cotonete na solução de limpeza e limpe a abertura da ferida. Você deve utilizar um outro cotonete seco para avaliar a profundidade da lesão. Essa informação será importante posteriormente, na oclusão da lesão. Então enxágüe a ferida e a área adjacente com a solução salina.

10.  Use uma gaze seca para enxugar a pele ao redor da ferida. Remova as luvas e despreze-as juntamente com a gaze e os cotonetes contaminados.

11.  Calce um novo par de luvas estéreis e prepare a cobertura da ferida mergulhando a gaze na solução de irrigação. Certifique-se de retirar o excesso da solução da gaze molhada, porque a cobertura excessivamente úmida pode dificultar o debridamento da lesão. Pode também molhar a cobertura externa da ferida, bem como levar contaminação de microrganismos para o seu interior.

12.  Desdobre a gaze molhada para aumentar a superfície de contato com o leito da lesão.

13.  Segure a gaze com a sua mão dominante para evitar tocar na pele do paciente e, dessa forma, introduzir contaminação para o interior da ferida. Use um cotonete estéril para conduzir a gaze ao interior da ferida.

14.  Preencha a ferida completamente, adicionando quantas gazes forem necessárias. Mantenha as gazes frouxas sem recobri-las.

15.  Cubra as gazes úmidas com uma compressa seca.

16.  Amarre a compressa no local. Se a ferida estiver localizada em uma extremidade do corpo, fixe a compressa com ataduras de crepe. Se forem utilizadas as faixas de Montgomery, troque-as se estiverem sujas, e então amarre firmemente. Se forem utilizadas faixas cirúrgicas, enrole-as sobre a lesão. Remova-as se estiverem sujas. Então remova suas luvas e coloque-as no saco de lixo.

17.  Retorne o paciente à posição de conforto, ajustando suas roupas quando estiver impossibilitado de fazer por si mesmo. Amarre firmemente o saco de lixo removendo-o do lado do leito, desprezando conforme normatização estabelecida pela instituição. Finalmente, registre o procedimento na folha de anotação de enfermagem. Registre o aspecto, o tamanho e o odor (se houver) da ferida e descreva a quantidade e o tipo de exsudato. Anote a quantidade e aspecto do tecido de granulação.